Filme: O leitor

Resultado de imagem para o leitor critica

Hello!!!

A dica de filme de hoje vai especialmente para você que gosta de uma bela história de amor com ingredientes difíceis de serem ingeridos sem efeitos colaterais. O Leitor tem um enredo consistente, prende a atenção e emociona a todos! Se por acaso você ainda não estiver convencido de que este filme vale a pena: ele teve cinco (CINCO) indicações ao Oscar!

É um filme que nos faz refletir e viver o personagem naquele momento. Será que nos responsabilizados pelo que cativamos?

Hanna é uma trabalhadora comum que, por acaso, conhece o adolescente Michael. Apesar da diferença de idade e de classe social, os dois passam a se encontrar. Através de sorrisos com o olhar ou de lascivas cenas de sexo, é possível reconhecer nela os traços de felicidade e realização de uma criança, típicos dos apaixonados, como o próprio jovem Michael.O roteiro é repleto de visitas ao passado e retorno ao presente, é importante ficar atento para que o entendimento seja pleno.

O filme é narrado em 1950, Michael Berg, o leitor relembrando talvez os momentos mais felizes de sua vida, pois no filme as cenas de sexos não representam apenas o ato em si, mas o descobrimento dos dois personagens, ele descobrindo o sexo, porque Hanna foi à primeira mulher que ele teve relação sexual, e ela, porém, descobrindo o mundo mágico que envolve o universo literário tão desconhecido por ela, e nesse prazer de ouvir as leituras feitas por ele, ela também atenta-se, o faz perceber que ele tem talento e sabe representar.

Pulamos 8 anos. Ele está agora na faculdade de direito, parte de uma aula bem restrita, com apenas 6 alunos. O professor (Ganz) os leva para um julgamento. Mulheres estão sendo julgadas por terem trabalhado em um campo de concentração. Entre elas, está Hanna.
Hanna confessa ter sido quem escreveu o relatório acerca do episódio em que 300 pessoas morreram em um incêndio. Tal declaração acarretou em sua pena máxima, a prisão perpétua. Só que ela só aprendeu a ler e escrever na prisão.
Michael sente vergonha da relação que teve com aquela mulher. Ele sabe um segredo sobre ela que pode livrá-la da condenação dela, mas ainda assim se cala. Talvez o sentimento de Michael, seja uma metáfora para o sentimento de todo o povo alemão. É mais fácil ignorar que aconteceu, do que realmente aceitar o fato. Que faz parte do seu passado.
É um filme emocionante!

Espero que tenham gostado da resenha e que eu não tenha dado muitos spoilers hahaha Ah, deixem sua indicação de filmes nos comentários!

 Beijos, beijos 

 

 

Anúncios

Diz aí, advogaTa: quais os meus direitos nas compras de Natal?

134604-3

Hello, advogaTas!

Em época de Natal as lojas ficam cheias e é preciso ter paciência na hora de escolher os presentes.

Mas ter paciência não quer dizer que o consumidor tenha que abrir mãos de seus direitos. Na hora de lutar por ressarcimento ou por um atendimento melhor, a informação será sua melhor arma. Você estar ciente que, assim como as lojas se preocupam em estar preparadas para vender mais, também precisam garantir o bom atendimento e prestar todo o suporte necessário, especialmente quando é detectado algum problema com o produto.

Como previsto no Código de Defesa do Consumidor (CDC), o comprador possui direitos, aplicáveis também em datas especiais.

Confira a que estar atento nesse fim de ano e acompanhe alguns pontos básicos do direito do consumidor em relação às compras de Natal.

01- Preços diferentes

Ao passar no caixa em loja física ou confirmar o pagamento em loja virtual, o consumidor deve conferir se o preço é igual ao anunciado. É dever do fornecedor cumprir o preço exibido nas prateleiras e nos anúncios, conforme artigo 30 do CDC.

02- Troca de produto

Lembrando sempre que o fornecedor não é obrigado a trocar se não houver qualquer dano no produto e se o consumidor não foi alertado no momento da compra, entretanto, a troca é uma gentileza, uma cortesia a fim de induzir o consumidor a comprar outras coisas. Importante é que se o lojista prometeu trocar, esta condição passa a ser cláusula da compra e deve ser cumprida.

03- Compra de eletrônicos e aparelhos eletrodomésticos

Quando comprar um equipamento eletrônico ou um eletrodoméstico, faça o teste do aparelho na própria loja, verificando se ele possui um manual de instalação, instruções e uso e a relação da assistência técnica local. Quando houver entrega em domicílio tome o cuidado de ter em mãos o prazo de entrega por escrito.

Nunca se esqueça de pedir a nota fiscal, já que ela é a sua garantia em caso de qualquer tipo de defeito ou vício no produto. É a nota fiscal que garante a comprovação de compra e o direito ao conserto, troca, ou restituição.

04- Arrependimento

Se o consumidor realizar compra via internet, telefone, catálogo ou a domicílio, ele pode desistir do contrato e pedir o dinheiro de volta no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, conforme artigo 49 do CDC. O direito de arrependimento vale para qualquer produto ou serviço mesmo sem defeito. Os custos da devolução são do vendedor.

05- Indenização

Segundo o artigo 6 do CDC, são direitos básicos do consumidor o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos. Sendo assim, se o consumidor se sentir lesado, mesmo depois de buscar um entendimento com o fornecedor ou com a empresa fabricante do produto, ele pode requerer seus direitos através de órgãos competentes, como Procon, Defensoria Pública, OAB, Ministério Público ou um advogado da sua confiança.

Se você não conhece o Código de Defesa do Consumidor, procure um exemplar. A internet oferece o código para download. Leia com cuidado todos os artigos e garanta os seus direitos quando houver necessidade. Caso tenha qualquer dúvida, procure o Procon de sua cidade e oriente-se para não ter qualquer tipo de prejuízo.

 

 

Maturidade para amar não cai do céu

fazer-18-anos

A felicidade só é possível quando nos dispusermos ao preparo dela. Toda colheita é fruto de um antes que nos custou muito. Quando descobrimos o valor do antes, passamos a valorizar ainda mais o momento presente.

Quanto tempo levamos para construirmos nossas coisas (materiais ou não)? Quanto precisamos caminhar para desfrutarmos o benefício da maturidade?

Descobri que a maturidade é o meu conforto existencial, isso é:  perceber que apesar de enfrentar conflitos, eu desfruto, no fim, de um equilíbrio interior. A imaturidade nos faz egoísta, dificultamos a nossa realização, por não sabermos compartilhar quem somos e o que temos. O imaturo não compreende o movimento do tempo, as mudanças que a vida traz.

O imaturo só quer a parte boa da história, não quer o desconforto inerente a mudança. Sendo assim, acaba se privando do todo. Nós sofremos muito quando nos impomos restrições.

Quando somos maduros, somos livres para buscamos as imposições e restrições que nos educam. Diminuir o doce, o álcool, as noites mal dormidas, o cigarro, os comportamentos viciosos… Isso educa a nossa vontade.

O imaturo vive o vício de maneira inconsequente e acaba machucando as pessoas que vivem ao lado. A imaturidade nos priva de amar!

Quando somos imaturos não somos capazes de amar o outro, pois somos ciumentos e assim afugentamos. Ninguém suporta um amor que prende. Quando eu sou imatura as minhas carências prevalecem. Daí eu exijo tudo de acordo com minha vontade, eu não admito perder e nem ser contrariada.

Isso não é amar.

Amor é gratuidade, sem cobranças, é reciprocidade! A medida em que vamos amadurecendo, vamos alcançando essa maturidade interior porque é a partir dela que a gente faz a auto crítica. Só o realmente livre é capaz de olhar para si mesmo e perceber seus equívocos, seus erros..

Quando eu olho de frente para o que me amedronta, eu cresço!

O que quero dizer com isso tudo é: viva cada ano da sua vida e seja sempre um aprendiz. Aproveite a idade que possui agora e saiba que para tudo há a hora certa. Quanto à maturidade, ela é o resultado do aprendizado de cada dia, um após o outro. Então, não precisa ter pressa.

 

 

 

 

 

Férias de estudante de Direito

images

Hello, advogaTas (e futuras advogaTas)!

Dezembro chegou e com ele as tão sonhadas férias! Verão, Natal, Viagens e Descanso! Decidi escrever sobre a importância de reservar um tempo para dar uma aprofundada e uma boa revisada em algumas matérias que você tem dificuldade.

Não, isso não quer dizer que estou excluindo todas as opções de lazer e de descanso. Quer dizer, apenas, que você pode aproveitar seu tempo para estudar as matérias que você teve dificuldade, sem nenhuma neura! Isso porque você tem em mente um desejo de ser cada dia melhor e aprender cada vez mais e mais.

Além disso, se você começar o próximo período com alguma insegurança em relação a matéria, vai ser ruim para você mesma. Ficar estressada e desesperada para conseguir dar conta de tudo e, honestamente, não é isso que ninguém quer.

Se você quer algumas dicas para iniciar seus estudos das férias, lá vai:

1) – Ler um livro por, no mínimo, 45 minutos todos os dias.

2) – Assistir  vídeo aula: uma de manhã e outra a noite, para reforçar o aprendizado.

3) – Fazer resumos das matérias estudadas e organizá-los em pastas.

4) – Resolver exercícios de concursos públicos e das provas antigas da OAB.

5) – Revisar suas provas antigas para refrescar a memória.

Bom, era só isso mesmo! Boas férias =D

Beijos, beijos ❤