Seremos o que somos?, por Ricardo Breier, presidente da OAB-RS

Porto Alegre – O jornal Zero Hora publicou nesta quinta-feira (28) artigo do presidente da OAB do Rio Grande do Sul, Ricardo Breier. No texto “Seremos o que somos?”, o dirigente da Ordem traça cenários para 2018. “O ano de 2018 pode entrar para a história como uma grande virada nos rumos do Brasil. Não somente na economia ou em indicadores sociais. Mas em questões tão subjetivas quanto reais: a moral, a ética e a honra de uma das maiores nações deste planeta estarão em evidência”, diz. Leia abaixo o texto completo:

Seremos o que somos?

Por Ricardo Breier, presidente da OAB-RS

O ano de 2018 pode entrar para a história como uma grande virada nos rumos do Brasil. Não somente na economia ou em indicadores sociais. Mas em questões tão subjetivas quanto reais: a moral, a ética e a honra de uma das maiores nações deste planeta estarão em evidência.

As eleições do próximo ano – vamos eleger seis representantes para diferentes cargos! – devem significar uma guinada. Após tudo o que estamos vendo de corrupção, conchavos e uso do dinheiro público para manutenção de esquemas sujos, seremos o que somos? Não seremos diferentes?

O dramaturgo irlandês George Bernard Shaw cravou uma reflexão cirúrgica: “É impossível progredir sem mudança, e aqueles que não mudam suas mentes não podem mudar nada”. Como vamos transformar este país se não colocarmos novos representantes nas decisões políticas do Brasil e até do nosso Rio Grande do Sul? Insisto: temos alguns bons nomes na política e em outros setores, mas eles são sufocados por um sistema tomado por corruptos.

É impossível progredir sem mudança… Em 2018, teremos essa possibilidade. Renovar, atualizar, dar oportunidades, colocar nomes que tenham compromisso com as pessoas antes de conchavos pessoais ou joguetes políticos.

O Estado brasileiro não suporta mais ser utilizado como cabide para tantos empregos. São distribuições irresponsáveis de cargos em ministérios, secretarias, agências reguladoras. O custo da incompetência administrativa é igual ou maior que o da corrupção. As moedas de troca entre coligações políticas não podem prevalecer. Ao invés de técnicos capazes de administrar nossos governos, temos filiados políticos sem qualificação liderando posições estratégicas. É uma fórmula que atrasa e sufoca o país.

Agora, é preciso votar com consciência. Pesquise seus candidatos. Verifique a ficha limpa. Converse com amigos. Cada voto é relevante. O esforço é indivi- dual para progressos coletivos.

Vamos ser incansáveis na mobilização da população pelo voto consciente. A mudança é urgente e precisa ser profunda. Não se acomode. Não desista. Temos milhões dispostos a mudar essa realidade nefasta. Um voto pode ser decisivo. Seremos o que somos? Eu acredito que podemos ser melhores. Em 2018, vote com consciência.

Anúncios

Hello, gostou do post? Então deixe aqui seu comentário. Beijos

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s